CRIMSON HALL

+ INSCH

02 Jul 2016
Abertura de Portas: 21h00
Início: 23h00
Entrada: 5,00€

Apresentação do Album HUNTING DESIRE

CRIMSON HALL

Género
Good ol’ Rock n’ Roll
Membros da banda
Ricardo Gomes – Guitarra
André Peixoto – Voz
David Rodrigues – Bateria
João Ferrão – Baixo
João Ferreira – Guitarra
Breve descrição
Banda de Rock / Rock Band
Biografia
João Ferreira e Ricardo Gomes conheceram-se em 2011, quando entraram para a Universidade Lusíada para estudarem Jazz. João, desde logo mostrou a Ricardo, a vontade de ter uma banda de Rock. Essa vontade só se materializaria em 2014 quando João começou a gravar alguns ideias que havia tido para alguns temas. Por esta altura fazia falta uma voz ao projecto e foi então que num encontro casual João convida André Peixoto, um vizinho amigo, que já havia cantado nalgumas bandas, para uma sessão de estúdio. Assim ficou completo o núcleo duro dos Crimson Hall com Peixoto nas vozes e Ricardo e João nas guitarras. Para completar a formação da banda decidiram chamar João Ferrão para o baixo, que já havia participado noutros trabalhos com João e David Rodrigues, um colega do curso de Jazz, para a bateria.
Com um álbum já escrito a banda começou a gravar em Abril de 2015 esperando ter o trabalho pronto no final deste ano.

Fotografias

INSCH

Data de início
Fundada a 2014
Data de lançamento
6 de Maio de 2016
Género
Alternative rock, grunge
Membros da banda
Manel Gomes (bass),
Miguel Rodrigues (drums),
Tiago Duarte (voice and guitar) |

David Silva (sound engineer),
Nuno Chanoca (manager)
Naturalidade
Ericeira, Portugal
Companhia discográfica
Premiere Music (physical)
Farol Música (digital)
Breve descrição
Alternative rock band from Ericeira, Portugal
Biografia
A intensidade da vida, desfeita em canções

Somos momentos
A frase “somos momentos”, ou instantes, vai da parede da cidade ao mural das redes sociais. Esta consciência da urgência do tempo, da efemeridade da vida – e das relações – são gravadas pelos INSCH, a ferro quente, em cada canção. A perda, a reconquista, a intensidade da dor e da mudança, as histórias que calam fundo em cada palavra – a que a alternância entre serenidade e aspereza dos riffs confere uma energia e dramaticidade invulgares – muito mais que uma receita, são uma postura perante a vida. Desfeita em canções.

Os insch ligam o interruptor em Janeiro de 2014. Para começar, o “goal”, o compromisso, é “matar essa imensa saudade de tocar”. Ah, e a criação de uma canção original por ensaio. Coisa pouca. A primeira a brotar foi “Little Lady” e a torrente de emoções vividas pelo trio da Ericeira, que uma longa amizade teceu em cumplicidades claras, resulta numa vaga de canções que, em pouco mais de um ano desaguam, em terna violência, nos palcos do Fantasma, Tokyo, Stairway Club, Fábrica Braço de Prata, Hard Rock Café, Musicbox, Club Sabotage, Popular Alvalade, festival Summer Jammin e Caixa Transforma, entre outros.

O mar na cidade

Da sala de ensaios avistam-se as ondas da Ericeira que rebentam organicamente nas canções dos insch em ecos de Nirvana, Deftones, Nine Inch Nails, Silverchair ou Incubus. E cada canção é um reflexo da impetuosa imprevisibilidade do mar. E da vida. Ribombam a intensidade contida de “uma ferida aberta, do fim de uma relação que ainda marca passados muitos anos” que volta como uma onda gigante para se dissipar na praia. Ou o horizonte plácido sob a calmaria que apazigua a revolta após a perda de um amigo. “Histórias muito nossas, que nos dizem tudo. É o que vai nas nossas canções”. Porque, para os insch, nunca faria sentido cantar o nada, dizer outra coisa que não o que sentem profundamente, como se o eterismo do mar encontrasse a melancolia da cidade.

O horizonte no olhar

O caminho é ainda curto mas tão acelerado que torna já longínquo o primeiro concerto dos INSCH. Em junho de 2014, no Boca Roxa, em Torres Vedras. Manel Gomes (baixo), Miguel Rodrigues (bateria) e Tiago Duarte (guitarra e voz) embalam sete canções que desmontam em palco e entregam à frenética espuma dos dias. Mais colada aos ouvidos fica “Bring Me Back”, que a rádio difunde e se torna título da tournée 2015 dos insch que, até ao final do ano, se vai espraiar por espaços de referência em Lisboa, Coimbra e Porto.

“Um dos novos talentos a acompanhar em 2015” para o Bandcom, que o The Music Spot integra nas escolhas para “a música que vamos ouvir em 2015″, o trio da Ericeira desenrola agora a pré produção do álbum que resultará em 10 a 12 canções cheias de energia alternativa, gerada num mar de emoções. Sempre, com a memória no peito e o horizonte no olhar.

“insch” deriva do termo céltico escocês para santuário, porto seguro, ilha ou terra firme
Prémios
“2015 Band of the Year” – BalconyTV Lisbon
Interesses pessoais
Rock music
A meaningful existence
Localização atual
Ericeira
Diretor-geral
Nuno Figueiredo Chanoca
nuno.chanoca@inschmusic.com
(+351) 916 347 927
Telefone
916 347 927
E-mail
geral@inschmusic.com
Outras contas
insch(Spotify)
inschmusic(Twitter)
inschmusic(Instagram)
inschmusic(SoundCloud)
inschmusic(YouTube)

Fotografias

comentários